Dissídio envolvendo greve de professores em Itabuna será julgado dia 29/6

 Lázaro Britto | Secom TRT5

 

Foi marcado para o próximo dia 29/6, às 14 horas, o julgamento do dissídio coletivo envolvendo a greve de cerca de 1.300 professores da rede municipal de ensino de Itabuna, no sul do estado. Na audiência de conciliação realizada na tarde desta segunda-feira (8/6) na sede do Tribunal Regional do Trabalho, em Salvador, não houve acordo entre o município e os professores, representados pelo Sindicato do Magistério Municipal Público de Itabuna (SIMPI). A audiência foi conduzida pelo presidente do Tribunal, desembargador Valtércio de Oliveira, e contou com a participação do Ministério Público do Trabalho, através do procurador regional Antônio Messias Bulcão.

 

O prefeito de Itabuna, Claudevane Leite, compareceu à audiência e chegou a modificar a contraproposta já apresentada pelo município, de reajuste salarial de 8% em duas parcelas, sendo a primeira (de 5%) retroativa a abril - data-base da categoria - e a segunda (de 3%) que seria antecipada para setembro, e não mais a partir de novembro, como inicialmente proposto. A vice-presidente do SIMPI, Maria do Carmo Oliveira, se comprometeu a apresentar a proposta à categoria em assembleia a ser realizada nesta quarta-feira (10/6). Caso aceitem, o acordo será homologado pela Seção de Dissídios Coletivos do TRT-BA.

 

GREVE MANTIDA - Os professores municipais de Itabuna estão em greve desde o dia 21 de maio e reivindicam, entre outros assuntos, o reajuste salarial de 13,01%. Até o julgamento do dissídio, a greve está mantida, segundo os representantes do sindicato, salientando que ''todos os professores já se comprometeram a repor as aulas não dadas por conta do movimento''.

 

Compareceram à audiência desta segunda-feira, além dos já citados, o procurador-geral do município, Harrison Ferrer Leite; a secretária de educação, Dinalva Melo Nascimento; o secretário de Comunicação, Gilvan Rodrigues; e o secretário de Fazenda, Marcos Antônio de Cerqueira. O Sindicato do Magistério foi representado, além dos diretores já citados, pelo advogado Jessé Melo.

 

(Dissídio Coletivo de Greve Nº 0000527-64.2015.5.05.0000 DCG)

 

Secom TRT5 (Lázaro Britto / Franklin Carvalho) - 9/6/2015