Navegador PJe facilita utilização do Processo Eletrônico

 

 

 

PJe

 

 

 

Os usuários do Sistema de Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT) têm à sua disposição o Navegador PJe, uma versão customizada do navegador Mozilla Firefox, desenvolvida especificamente para uso do PJe. O objetivo é tornar mais fácil a utilização do sistema pelo usuário que não familiaridade comTecnologia da Informação. A solução é resultado de parceria do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) com o Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte (TJRN). 
 

Por ser uma ferramenta pré-configurada, o usuário do Navegador PJe não precisará checar as versões de programas, plug-ins e outros softwares instalados em seu computador, pois o aplicativo incluirá sempre todos os requisitos para acesso ao sistema. Anteriormente, ao acessar o PJe, muitas vezes era necessário que o usuário fizesse atualizações ou alterasse as configurações em seu computador.

'A vantagem do Navegador PJe é que ele já vem preparado para o uso do sistema', afirma o juiz auxiliar da Presidência e gestor de Projetos de Informática do CNJ, Bráulio Gusmão. 'Hoje é preciso que o usuário esteja atento à atualização do Java do navegador, à configuração do navegador e a outros detalhes que acabam exigindo conhecimentos que às vezes o usuário não tem. Além disso, são detalhes que às vezes tomam tempo do usuário', explica.
 

As atualizações do navegador, segundo o gestor de Projetos de Informática do CNJ, serão feitas de forma automática. 'Customizamos o aplicativo para usar o PJe e, a partir dele, o usuário poderá ir a qualquer PJe no Brasil de forma fácil e rápida', diz o juiz Bráulio Gusmão.

A novidade foi bem recebida pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). 'Estimo que cerca de 60% das dificuldades enfrentadas pelos advogados decorrem das diferenças de configuração entre o equipamento utilizado e o que é requerido pelo sistema. Com um navegador que se destina exclusivamente ao uso do PJe, as demais configurações do computador dos advogados ficam preservadas, sem que isso influencie no uso do PJe', explica Frederico Preuss Duarte, presidente da Comissão Especial de Direito da Tecnologia da Informação do Conselho Federal da OAB.

Clique aqui para baixar o Navegador PJe.

 

Fonte: Agência CNJ de Notícias (Tatiane Freire) – 4/8/2016