Ministro egresso do TRT5 integra a Academia Brasileira de Direito do Trabalho

 TST

Os ministros Ives Gandra Filho e Cláudio Brandão (centro) e o desembargador Waldir Florindo

 

O ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Cláudio Mascarenhas Brandão, que é egresso do TRT da Bahia, tomou posse nesta quarta-feira (9), como membro da Academia Brasileira de Direito do Trabalho (ABDT). A cerimônia, que contou com a presença de ministros e servidores, ocorreu no Salão Nobre Papa Leão XIII, na sede do TST. Ele ocupará a cadeira de número 39 da Academia.

 

Ao saudar o empossado, o presidente do TST, ministro Ives Gandra da Silva Martins Filho, desejou-lhe muito sucesso na academia e observou que o TST tem grande parte dos seus membros fazendo parte de várias academias ''A atividade acadêmica, a atividade de pensar o Direito do Trabalho, acaba subsidiando as decisões do Tribunal''.

 

Ao agradecer a honraria concedida, o ministro Cláudio Brandão lembrou a sua trajetória de 35 anos na Justiça do Trabalho. Brandão se disse honrado de estar ocupando a cadeira do professor e desembargador Luiz de Pinho Pedreira da Silva, de quem foi orientando em sua tese de mestrado. Para o ministro, o professor era um homem que pensava além do seu tempo, e Pinho Pedreira foi a primeira pessoa no Brasil a reconhecer a existência de dano moral nas relações de trabalho em categoria autônoma. Veja aqui a matéria publicada no site do TST em homenagem ao desembargador.

 

ACADEMIA - A Academia Brasileira de Direito do Trabalho, anteriormente denominada Academia Nacional de Direito do Trabalho, foi fundada em 1978, no Rio de Janeiro, por um grupo de juristas ligados ao Direito do Trabalho. Os patronos são o ministro Luiz Gallotti e o professor Cesarino Júnior. Seus objetivos são o estudo do Direito e do Processo do Trabalho, o aperfeiçoamento e a difusão da legislação trabalhista e a publicação de estudos.

 

A Academia possui vários ministros do TST como membros efetivos, como o próprio presidente, ministro Ives Gandra Filho, ocupante da cadeira de número 56. A cadeira número 1 é ocupada em definitivo pelo ministro Arnaldo Lopes Süssekind.

 

Fonte: TST - 10/11/2016 (Foto: Aldo Dias)