Acordo põe fim à greve em empresa de construção civil

 DivulgaçãoUm acordo firmado na manhã desta quinta-feira (29), na Seção Especializada em Dissídios Coletivos do TRT da Bahia, pôs fim a uma greve dos trabalhadores que já se estendia por 11 dias na Gestão de Projetos e Obras Ltda. (GPO), empresa do ramo da construção civil pesada. As negociações, conduzidas pela vice-presidente do Tribunal, desembargadora Yara Trindade, definiram ainda a forma de compensação dos dias parados, bem como a distribuição do processo entre os desembargadores integrantes da Seção de Dissídios Coletivos. O julgamento ocorrerá no dia 10 de dezembro. 

 

Pelo acordo, ficou definido pelas partes que um dia da paralisação será abonado pela empresa, cinco serão compensados pelos empregados e os outros cinco serão descontados na folha de pagamento de dezembro, além do pagamento proporcional da cesta básica aos dias efetivamente trabalhados.  A compensação se dará com trabalho por oito horas em três sábados do mês de dezembro - 1º, 8 e 15 - além de prorrogação por mais uma hora por dia de segunda a sexta-feira, já a partir desta sexta (30), data do retorno ao trabalho. A compensação com horas extraordinárias se estenderá até o dia 21 dezembro.

 

Os operários, representados pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção de Estradas, Pavimentação e Obras de Terraplanagem do Estado da Bahia (Sintepav), pleiteiam reajuste salarial, entre outros benefícios. Diante da paralisação, a GPO ingressou com o dissídio coletivo, pleiteando o retorno imediato ao trabalho com o desconto dos dias parados, alegando ''a impossibilidade de compensar todos os dias da greve em face da proximidade do recesso de fim de ano''.

 

Após várias propostas e contrapropostas apresentadas, as partes chegaram ao acordo, que contou com a participação do representante do Ministério Público do Trabalho, o procurador Antônio Messias Bulcão.

 

(DC nº 0002395-82.2012.5.05.0000)

 

Ascom TRT5 (Lázaro Britto) - 30.11.2012